9 de abril de 2014

FESTAS DE CARROS DE BOI - nota do autor




Nota do autor que consta no livro "Festas de carros de boi"

Se olhar a minha árvore genealógica se poderá comprovar que meus antepassados, de várias gerações, são do mundo rural e carreiros.

Por ter vivido a minha infância e juventude na roça e amar a cultura do sertanejo, participo das Festas de Carros de Boi de Vazante – MG (a tradicional) desde 1994. Nunca perdi uma; de alguns anos para cá passei a estudá-las.


Houve edições que acompanhei todo o percurso a cavalo, porém, por morar fora de Minas Gerais nos últimos anos, indo lá só em ocasiões específicas, em algumas das edições preferi seguir de carro para os pousos dos carreiros. Acampava junto a eles, e no próximo dia, mudava para o outro pouso, e assim sucessivamente, até o último dia de festa.

Há três anos resolvi registrar as pesquisas em um livro e iniciei a busca de material sobre o assunto. Para meu espanto, no livro que ora escrevo o carro de boi iria precisar, não apenas do registro das festividades acerca dele, mas igualmente de que fosse narrada sua importância histórica para o Brasil e para o mundo, porque afora o livro “O Ciclo do Carro de Bois” no Brasil, de Bernardino José de Souza, (1884-1949), edição póstuma, quase nada mais existe de científico a respeito do assunto.

Na pesquisa de campo, durante os três anos que me dediquei ao estudo, entrevistei vários carreiros, candeeiros; gravei diálogos com eles e com participantes das festas e entusiastas do tema. Esses depoimentos estão organizados nas páginas finais deste livro.

O intento de registrar a tradição dos carros de boi é, primeiro para relembrar à sociedade do valor que eles tiveram e ainda têm; tentar salvar do esquecimento essa tradição que foi vital à sobrevivência de tantas comunidades pelo país afora, e preencher a absoluta inexistência de conteúdo científico sobre os carros de boi.

Naqueles diálogos estabelecidos entre mim e os carreiros e candeeiros, além dos vários adeptos do assunto, pude comprovar quão apaixonados eles são pela cultura, labuta diária nos dias de festa; pela amizade e camaradagem entre eles e os demais participantes.

A paixão deles é nítida naqueles dias que antecedem as festas, mas também permanece quando elas terminam e eles devem voltar para suas casas. A paixão está contida no ritual de cada festividade, está contida no retorno para casa, porque voltam possuídos de uma expressão de êxito. Eu não exagero se digo que voltam cantando. Alguns desses carreiros levam longos dias de viagem para retornarem às suas casas.

Então, estou falando de uma comemoração que exige muito, fisicamente, de cada participante. É claro que exige mais das parelhas de bois, mas elas são selecionadas, treinadas e naturalmente mais fortes do que os homens. Daí que é-nos necessário molhar a garganta para tirar a poeira, ou para esterilizá-la da lama. Para tanto, usamos algumas doses da cachacinha mineira. Depois, temos de alimentar o corpo, que consome muita energia nas festividades. Por isso, é graças ao trabalho distanciado da editora, que não se sente exalar das páginas deste livro um suave cheiro de cachaça mineira, ou o delicioso aroma das comidas típicas, pois nessas festividades não podem faltar boa cachaça e comida mineira.

Em junho de 2010 fixei minha primeira barraca em torno das festividades, de posse de meu binóculo de pretenso Antropólogo, Jornalista, Historiador... mas sou Filósofo! Enfim, procurei mencionar todas as festividades que utilizam carros de boi na região de Vazante, tendo em vista que a maioria dos carreiros participa de mais de uma delas, e seria injusto retratar apenas uma ou outra festividade.

Geralmente as festividades acontecem no mês de julho, época em que se colhem as lavouras de milho, principal produto transportado pelos carreiros em dias de festa. Também é a época mais fria e empoeirada do ano, fatores esses que dão um ar mais rudimentar a festança. Muitos não participam da festa devido à junção dessas duas adversidades. Porém, no meu ponto de vista essas adversidades caem como luva. Aquele cenário fica mais agreste, dá um tom mais especial e faz com que os participantes vivenciem o que é realmente uma festa de carros de boi.

Essas duas festas são itinerantes. Quando resolvi partir para a pesquisa de campo com gravador e câmera fotográfica, fui conversando com muitas pessoas, priorizando as mais idosas, supondo que estivessem há mais tempo no ofício de carrear. Eu queria conhecer detalhes sobre a dura vida dos carreiros no passado.

Fui a várias fazendas na região de Vazante e circunvizinhanças. Gravava e fotografava tudo. Durante todos os dias da Festa de Carros de Boi da Comunidade Cachoeira e da Festa de Carros de Boi de Vazante (a tradicional/2011), fiquei em pontos estratégicos para ir conversando com os candeeiros, carreiros e visitantes, além de tirar fotos. Sempre os acompanhava, e quando conversava sobre algo mais relevante, eu gravava.

Primeiro dia: na roça de milho, enquanto enchiam os carros de boi com as espigas de milho, ou com as sacas de milhos debulhadas, após deixarem os carros preparados para o dia seguinte, eles montam os toldos junto aos carros de boi, ou suas barracas. Alguns dormem debaixo dos carros, preparam as suas refeições do lado do carro de boi, tomam suas cachaças, cervejas e contam os causos. Muitos deles afirmavam que só dariam a entrevista depois que eu tomasse uma dose de cachaça, ou outra bebida com eles, e comesse um tira gosto (carne de porco na banha, rapadura, farofa, carne, paçoca de carne ou pedaço de rapadura). Em geral, é algo especial, que eles preparam para os dias de festa, então é uma descortesia não aceitar o que oferecem, e burrice também, porque cheira muito bem e é delicioso! Impossível recusar. Ser educado também facilita a entrevista.

Após algumas entrevistas, seguindo esse ritual, reconheço que ficava um pouco alegre, pois bebia de tudo um pouco.

Todos os dias têm forró em meio aos pousos, e outras atividades que podem ser cantorias próximas aos carros de boi, regadas a muita bebida e prosas descontraídas. Mesmo as noites muito frias não desanimam os participantes. É que todos estão ali com um propósito maior: carrear. Passatempos ou intempéries, tudo faz parte da lida do carreiro e ele deve gozar ou superar com sua tradicional força.

Segundo dia: pela manhã, acontece o desjejum, em seguida a missa, posteriormente partem para um novo local a vários quilômetros dali. Durante o trajeto, passam por um riacho, outro ponto que é parte da trilha mapeada pelos organizadores. São muitas as pessoas que vão bem cedo para a beira do rio assar carne, beber e esperar para verem os carros passarem dentro do riacho. Muitos só saem de lá no final do dia e partem para o segundo pouso, onde tudo se repete: forró, cantoria, comidas típicas etc.

Terceiro dia: é o ponto que exige mais dos carreiros, pois saem bem cedo para subirem a Serra da Boa Vista (em torno de sete quilômetros). Por volta das 7 horas da manhã, na Serra, enquanto os carreiros subiam, eu fazia o percurso inverso, para conversar com eles e fotografá-los. Eu tinha me adiantado, justamente para descer quando eles estivessem subindo. É um espetáculo inesquecível! Subi e desci os sete quilômetros a pé, com um sol escaldante. Chapéu na cabeça, botina nos pés, esses aparatos protegem bem pouco o homem moderno, que se desabituou às durezas do campo. Engoli muita poeira (em alguns locais, após dezenas de carros de boi passarem o chão afunda alguns centímetros), suei bicas, atolei até ao meio da perna. Era quase divertido, se não fosse pelo fato de, ao final do dia, eu estar moído. Mas, antes de o fim do dia chegar, ali pelo meio-dia, eu estava ainda refazendo o percurso de volta para o cume da serra, onde milhares de pessoas ficavam dançando, assistindo os carros subirem e onde são disponibilizadas comidas típicas, biscoitos feitos em fornos à lenha e mais umas doses de cachacinha, pra animar. Nessa hora, já muito cansado, eu continuava colhendo informações para o livro, enquanto via um carreiro que fosse, de pé.
Por volta das 18 horas saía do alto da serra, desci a serra para o pouso, debaixo de várias mangueiras, onde tudo se repetia: forró, cantoria, comidas típicas etc.


Quarto dia: é o último dia de festa, os carreiros fazem um percurso bem maior para chegarem ao local onde serão recepcionados.  No último dia o número de participantes aumenta drasticamente, são milhares deles. Novamente, o forró, cantorias de vários artistas, comidas típicas e outras apresentações.

Todos os dias, por ter que andar muito, ficar o dia todo debaixo de sol e andando a pé, à noite quase não conseguia desfrutar das festividades. O cansaço era tanto, que eu já ia dormir, para no dia seguinte prosseguir com o trabalho documental. Mantive essa rotina de pesquisa nas festas, além de ir várias vezes às fazendas, para conversar com os carreiros. Fiz inúmeras gravações, além de tirar muitas fotos. Quando fui organizar o material para transcrição, vi que havia perdido grande parte das gravações. O gravador fora danificado pela poeira e suor, ao tentar baixar os arquivos, a maioria do trabalho estava perdido. Aquelas pessoas que eu sabia onde encontrar fui logo tentar entrevistar novamente, porém, outras, tive que aguardar para o próximo ano, 2012.

Em 2012 fiz tudo novamente. Entretanto, vários daqueles entrevistados no ano anterior (inclusive pessoas de outros países), não quiseram dar novas entrevistas. Alguns alegaram até coisa do tipo: “Não estou tão inspirado como da outra vez”.

Se me perguntarem se é cansativo, responderei que sim, bastante; se é algo diferente? Com certeza é, pois retrata uma cultura que quase foi extinta, é original, singular e devido a isso, está se alastrando pelo país afora.

Durante as festividades, o original é viver a vida do caipira, independente do status social que cada um tenha fora de lá; quando se está carreando, não existem diferenças entre ser doutor, latifundiário, empresário etc., o que importa é conseguir fazer todo o trajeto e curtir a festa com os amigos.

Durante as festividades, encontramos pessoas simples, que realmente trabalham na roça para tirarem o sustento, mas também encontramos quem participe das festividades apenas por amor ao tipo de cultura, geralmente tendo alguma ligação com os locais, ou porque souberam que ali se festeja a importância dos carros de boi.



Nenhum comentário:

Postar um comentário