12/09/2014

O caso da onça *



Manoel Carlos (1922-2012) contou que “Houve um garotinho... É que antigamente, na região, o senhor sabe, Rogério. Só tinha mata por todos os lados, muitos peixes e bichos de todos os feitios: cobras, veado, capivara, caititu, quati, tamanduá-bandeira, macaco, queixada, sucuri, tatu, onças... Êh!, as onças!” E explicou seu entendimento sobre as onças: “Se andasse suzinho, à noite, a onça pegava a pessoa mesmo. Quando anoitecia, as cobra entravam nos rancho, ou nas casa de pau a pique. Era perigoso por demais! Se pisasse em alguma, podia ser picado.” Mas o foco da narração de seu Manoel Carlos era mesmo a onça. “Quando se via uma, com seu filhote, era melhor sair de perto, o bicho era perigoso demais!, principalmente se ela tivesse acuada de cachorro. Moço, olhe, ela vinha pra cima mesmo! Se alguém se aproximasse da carniça que ela tivesse pegado, ela pegava também. Mas onça não é ruim como o povo fala e entende. Podia passar perto dela que ela não fazia nada. Só queria encher a barriga. Depois da barriga cheia, elas num perturbava.” ‒ E ele foi contando: ‒ “Existia uma mulher, colhendo algodão. Ela levou o filho pequeno com ela, e pra ele não ficar no sol, colocou ele debaixo duma moita de mato, encima duma coberta. De repente, a dona escutou o menino dando risada, e foi lá ver o que tava acontecendo. Avistou uma onça passando a pata no garoto e ele gargalhando. A mulher gritou; a onça agiu; se apossou de sua presa pelo pescoço, e ganhou a mata. Devia de ser hora do almoço. E houve um garotinho, seu Rogério. Pois foi!”  




* Trecho do livro: FESTAS DE CARROS DE BOI, do escritor Rogério Corrêa

Para continuar lendo acesse um dos links abaixo:



Boa leitura,

www.iceib.com.br



 

Sorte de Carreiro *



Em conversa agradável entre Valtinho de Unaí e Maurício Araújo[1], nota-se o quanto esse carreiro é apaixonado pela lida do carrear. É presença certa na festa, quase sempre trás os filhos e amigos para participarem. Segundo ele, essas festividades fizeram com que muitos proprietários tirassem os carros esquecidos há muito tempo nos galpões e os colocassem de volta na estrada, para manterem a tradição e fazerem com que os mais velhos chorem de emoção ao reviverem o passado. Valtinho de Unaí considera o povo vazantino como sua família, por consideração, respeito e amizades sinceras, que tem na cidade e arredores. Nessa conversa, o unaiense relata que aconteceu uma tragédia com a sua boiada, mas que teve um final feliz. No dia 19 de dezembro um ladrão furtou sete de seus bois, e os estava levando para o matadouro,  felizmente, policiais da barreira de Paracatu ‒ pasmem! ‒ reconheceram os bois e informara ao Valtinho. Dessa forma, Valtinho conseguiu reavê-los. Para ele, se não participasse da festa de carros de boi de Vazante,  esses policiais não conheceriam os seus bois,  e eles tinham ido para o abatedouro.



[1] Entrevista cedida pelo amigo Maurício Araújo.





* Trecho do livro: FESTAS DE CARROS DE BOI, do escritor Rogério Corrêa

Para continuar lendo acesse um dos links abaixo:



Boa leitura,

www.iceib.com.br